Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Xanalicious

Qua | 21.08.13

Afinal... Quem sustenta o mundo das fakes?

Ao ler um artigo no Petiscos sobre um estudo ter concluído que são as mulheres mais ricas quem mais compra artigos fake, não resisti a comentar por aqui.

"Segundo pesquisa realizada pelo instituto Data Popular, as mulheres da classe alta (A e B) estão entre a parcela da população que mais compra produtos piratas. 56% das 1501 pessoas entrevistadas declararam ter comprado um produto “genérico”. Desses, 55% eram mulheres. Mais um número: 73% das “ricas” assumiram ter adquirido produto pirata"

É curioso como o mundo luxo funciona, e basta pegar no exemplo de artigos de moda. Os mais ricos compram fakes, e fazem a vida deles sossegada, no mundo deles. A classe média anda a juntar cada euro suado para poder comprar "uma Chanel". Estou a generalizar - muito!!! - eu sei, mas é assim que parte do mundo funciona, hoje e sempre!

Isto [os ricos que vivem da ostentação, e metade fakes; e os não-ricos a pouparem para terem peças do mesmo preço que o próprio carro] faz-me alguma muita confusão, porque tudo não passa da consequência de duas coisas: puro marketing, e a ideia de que se ganha status. À conta disso, fomenta-se o mercado negro, contribui-se para a fuga aos impostos, e para o aumento do trabalho escravo (isto são outros quinhentos, eu sei), e ainda se endividam. Enfim, não consigo apoiar fakes, é algo que não faz sentido para mim.

Bem sei que há muito boa gente que deseja certas e determinadas peças completamente off-budget por lhe conhecer a história, o encanto, a beleza, a qualidade (eu,eu,eu,eu), mas simplesmente não faria grandes sacrifícios em troca de objectos de luxo. Há boas peças a preços que posso pagar, e isso basta-me. Agora... Sair do budget disponível ou andar com coisas falsas no corpo, no thanks!

Opiniões desse lado? Bem sei que é um assunto algo polémico, mas gostava de ler o que acham sobre tudo isto.



Links recomendados:
Piratas Ricas, Petiscos
Fakes Are Never In Fashion, Facebook da campanha da HB
Qua | 21.08.13

ACESSÓRIOS | HEADS UP

É triste, mas é verdade! Já estamos a 21 de Agosto, e eu começo a sentir o Verão a despedir-se. Ok, o calor ainda pode andar por cá mais uns tempos, mas o espírito de Verão em si está nas últimas. É tempo de rentrée, e de começarmos a pensar nas peças de Outono.

E a verdade é que, com a chegada do frio em si, o destaque em acessórios parece ser quase todo na área do pescoço para cima: fios, brincos, fitas, "tiaras", gorros, ear cuffs, lenços e maxi- cachecóis, and so on. E faz sentido que assim seja, tendo em conta que vamos andar de manda comprida, tapadas, ... Só de me lembrar disso deprimo um bocadinho!

Mas nem é tudo é mau, basta olharmos para o que as lojas já começam a lançar para ficarmos um pouco entusiasmadas com o os dias mais frescos. Os meus preferidos:

FITAS | As de cima e a preta, H&M, e a de pérolas, Zara. Nunca pensei voltar a gostar de fitas, mas ando muito nessa onda. Muito mesmo! Quero uma preta, larga. E uma com um laço grande, de lado. Mas quero uma também em modo jóia, género a da Zara ou as da H&M, para usar em penteados (ao género do que a Vic usa aqui).

EAR CUFF | [Zara] Já falei dela na Segunda-Feira (aqui), mas resumindo: para usar com um apanhado para o lado (tem sido o meu nos últimos tempos).

GORROS | [Zara] Salvação nos bad-hair-days, mas também um toque boyish que poder ser usado numa infinidade de combinações, mais femininas ou mais masculinas, mais formais ou informais (usei o meu no Inverno passado, em modo non stop).

ÓCULOS DE SOL | [Zara] Porque, no dia-a-dia, não existe acessório mais importante: não consigo ver nada sem eles, tapam-me a expressão de sono e as olheiras, e podem dar o toque necessário para um outfit básico passar a um outfit mais sofisticado. São os salvadores matinais, e de fim de dia!



A considerar ainda dois acessórios que não estão na montagem: esponja da H&M para criar volume no cabelo (ici) e maxi-lenço/cachecol (não sei o nome certo) axadrezado (acho que vi algures na Zara, mas não encontro agora).