Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Xanalicious

Seg | 19.11.18

BEAUTÉ WL

 

wl beauty.jpg

 

Sou péssima a trazer beleza a este blog - e já deixei as reviews quase em exclusivo nas stories do meu Instagram (estão no destaque Reviews). Para já porque cada vez exploro menos esta secção (o marketing dá cabo de nós ahah) e, depois, porque tive que me disciplinar para não comprar demasiados produtos quase por coleccionismo. É que os prazos de validade são para ser cumpridos e, a cada limpeza da secção beleza, sinto facadas no coração... Enfim!

 

Mas sim, sou muito cuidadosa com a minha rotina de cuidados com a pele (mesmo muito - more on that later), e não resisto a um batom nude e a iluminadores. E, numa WL imaginária de Natal, estes são os 4 produtos que estou a considerar:

 

1. Mia, Clarisonic. Ando há anos e anos e anos a adiar esta compra, mas não dá mais!!! Tenho mesmo de investir na famosa (e "consensualmente óptima") Mia da Clarisonic. 

 

2. Kubaki, Fenty Beauty. Bem, eu estou SUPER fã da Fenty Beauty, em termos de tudo: preço, qualidade, cores, packging, design, a mulher que representa. Tudo! Depois do Gloss Bomb (AMO), dava-me imenso jeito um pincel gordinho e facilmente transportável. E este é MARAVILHOSO (de lindo e, pelas reviews que li, de bom).

 

3. Paleta de rosto especial Natal, Nars. Bem, eu costumo ser imune aos feitiços dos kits de Natal. Mas... I mean, Nars!!! A Nars é, há muitos muitos anos, uma das minhas marcas preferidas. E o meu blush Orgasm tem anos e anos (está lá a vegetar sem uso, porque já passou a validade mas não tenho coragem de o deitar fora) - e o Laguna, acreditem ou não (porque, sendo viciada em bronzers e em Nars), nunca experimentei. Já de iluminadores da marca, sou muito muito fã da marca. Portanto, TUDO certo neste pack!

 

4. Le Rouge Crayon 257, Chanel. Bem, não resisto a um batom nude. E preciso de um para ter na "bolsa de noite", onde gosto de acabamentos mais brilhantes. Já experimentei este e fiquei rendida.

 

 

Seg | 19.11.18

A "MINHA" SUSTENTABILIDADE NA MODA

 

Desde que fiz alguns posts em Janeiro e, em especial, Setembro, que tenho recebido MUITO (e tão bom) feedback sobre o assunto.

 

O que acontece é o seguinte: se é verdade que (felizmente) sustentabilidade é "a" palavra de ordem em 2018, 19 e (esperemos) muito mais além disso, também é verdade que surgem variadas filosofias e práticas no Instagram, vindos de várias Influencers, publicações, marcas, etc.

 

E, às tantas, trocam-se conceitos, confundem-se as pessoas e difundem-se variadas ideias. Eu sou apologista de absorver o máximo de informação possível, pesquisar aquilo que não percebo e, claro, ler e ver reportagens mias técnicas (com factos) sobre o assunto. Estou longe do extremismo, porque assim o sou em tudo, mas quanto mais informação tivermos, melhor.

 

 

Abrigo + vaqueros = look perfecto

 

 

A minha filosofia desde o início do ano, que se foi intensificando a cada mês, é simplesmente NÃO consumir. Ou antes, consumir muito MENOS. Não é uma questão de ter "transferido" os meus hábitos de consumo para outro tipo de marcas, pois a meu ver isso faria zero sentido. É mesmo consumir menos! E isto deve-se a mais do que princípios sustentáveis.

 

Simplesmente, deixei de me identificar com a "velocidade", com tendências efémeras, com roupa sem qualidade, com a falta de sentido que isto tudo deixou de ter. Com o conceito de descartável, no geral.

Além disto, que é uma questão 100% pessoal, o "estado em que vai o mundo": ao nível dos recursos naturais (e aqui entra a parte de não "desatarmos a consumir loucamente tudo o que é orgânico", se é que me entendem), do ambiente e da própria sociedade (neste caso concreto, das condições de trabalho). Sustentabilidade não é apenas ambiental, mas também económica e social - daí eu, hoje em dia, preferir marcas emergentes, especialmente portuguesas.

 

 

Mas... Deixei de ir à Zara? (ou Mango, ou Uterqüe, ou "you name it"). Não, não deixei. A moda acessível não é o conceito a destruir - mas sim a parte (que, hoje em dia, é inerente à moda acessível) do excesso de produção (que se foi acelerando para responder à NOSSA pressa de consumir, não se esqueçam) e das condições de produção (passar a ler o "Made in ...." para ver em que mercado foi produzida a peça que estamos a ponderar).

Por exemplo, a produção de algodão é uma das grandes manchas negras no ambiente, devido aos químicos (quando não é totalmente orgânico), mas especialmente devido ao consumo de água que é necessário. Ou seja, a diferença entre comprar umas calças de ganga de algodão na Zara ou em qualquer outra marca é pouca... O ideal é comprar apenas o que é necessário (e que se vai usar muito), certo? É esta a minha lógica.

 

 

Depois, o Vintage. Cada vez mais o conceito de roupa em segunda mão faz sentido, especialmente em peças de qualidade (pegando no exemplo anterior - peças em ganga são uma excelente ideia em segunda mão). Temos aqui várias opções que não lojas físicas (em Lisboa ainda não descobri a pólvora....): as vendas de bloggers (eu, por exemplo, tenho levado a cabo uma limpeza implacável no guarda-roupa com peças em excelente estado!), e sites com verificação de qualidade, como o Vestiaire Collective. 

 

 

E pronto, por hoje, ficamos por aqui. Quero fazer um próximo post com questões vossas - sigam-me no Instagram para saber mais (e também partilho por lá várias opiniões, leituras e mini-artigos).

 

 

Seg | 19.11.18

SEQUIN ISSUE

VESTIDO DE LANTEJOULAS COM COSTAS DESCOBERTAS

 

Bem, há poucas bandeiras desta época festiva (jantares de Natal e pda) como peças com lantejoulas. Até eu tenho vontade de mergulhar numa banheira de lantejoulas e andar assim o mês inteiro. E, se há peça que automaticamente associo à Zara, é esta: vestidos, blusas, saias - a Zara é mestra em linhas de festa, temos que admitir. 

Não tenho por hábito comprar peças específicas para as festas (e estou a guardar budget para o Winter Market da Stylista), simplesmente uso peças e coloco acessórios mais statement (novas combinações com o que já está por casa). Mas sem dúvida que este vestido me parece uma boa aposta, o modelo é super elegante - dá para jantares e passagem de ano e, ainda, uma ou outra festa ao longo do resto do ano! (isto, para mim, é pouco uso para uma peça porque, again, não sou de comprar peças para ocasiões específicas - mas também as minhas festas/jantares são quase sempre mega informais). 

 

 

Vestido - Zara (link)

 

Sex | 16.11.18

SPOTTED // IS IT TOO SOON TO TALK ABOUT STRAPPY SANDALS?

 

Via @hannastefansson

 

Ainda há uns dias falei na "tendência" que se vive este ano de usar sandálias na temporada fria. Isto poderia ser uma proposta dentro dessa tendência, mas não... Sou só eu a lamentar uma comprar que não fiz neste Verão e que já está na #WL do próximo.

 

São umas strappy mules da By Far (marca emergente polaca que estou MUITO curiosa para conhecer ao vivo - tenho lido muito boas coisas sobre ela, a nível de qualidade e conforto). Em nude são incríveis - vejam como ALONGAM a perna. E... Nem preciso alongar-me (perdoem-me a redundância) sobre sapatos nude no geral, certo? Infelizmente, nem sequer posso cometer a demência de as oferecer a mim mesma no Natal porque... #esgotadérrimas. 

By Far tan brown tanya 65 leather sandals

 

 

Sex | 16.11.18

SET // CASUAL MOOD

set nov 2.jpg

Cardigan, Mango. T-shirt, Rust & May. Colares, Cinco. Mala e jeans, Totême. Ténis, Nike.

 

 

Ando completamente num mood cardigan. É curioso - nuns anos, só uso camisolas, noutros, casacos de malha. Este Outono, claramente sou team casacos (ainda que, na verdade, use muito mais camisolas). 

Apesar deste ser da Mango (todo em malha sintéctica), aconselho malhas naturais (lãs e/ou caxemira) - são mais quentes, mais bonitas, mais duradouras e confortáveis. Além de... Serem naturais. Dois conselhos: em lojas/marcas de fácil acesso - Massimo Dutti ou Ralph Lauren; o segundo é sem dúvida lojas de comércio artesanal - tenho um casaco feito na Serra da Estrela, que é INCRÍVEL, giro, malha super grossa e custou... 50 euros! 

 

 

Mas, pegando no assunto acrílico, este é preferível ao pelo verdadeiro - e estou muito fã das propostas da Totême. É tudo uma questão de pensarmos bem aquilo que vale a pena apostar em materiais naturais ou não e, claro, ponderar bem toda e qualquer compra, para algo que se use muito (este ano e nos próximos).

 

Ter | 13.11.18

SET // READY FOR WINTER

 

set nov.jpg

 

Este é TOTALMENTE o mood para o frio - estou off de calças de ganga, de muitas camadas, de muita complicação. As peças são básicas, são para se repetir, para serem quentes e práticas. E este set é o reflexo perfeito do meu mood! 

 

Óculos, Gucci; Casaco e camisa, Totême; Calças e botas, Zara; Bolsa, Little Liffner

 

Seg | 12.11.18

SPOTTED // VINTAGE FUR MOOD

 

 

O editorial da Zara "Campaign Collection" foi dos mais giros que vi nos últimos tempos. Aliás, a marca espanhola tem-se superado no que toca a editoriais, de estação para estação.

 

Além da apresentação em desktop, da fotografia e styling, o que me chamou a atenção foi este casaco!!! Há anos que procuro um casaco com este pelo (mistura de castanhos), a imitar os casacos de pelo antigos. Normalmente existe em modelo curto, mas este ano a marca vai lançar (ainda não chegou ao site) uma versão longa.

Eu duvido que goste de me ver, mas... Que é giro, é!! 

 

Seg | 12.11.18

SANDÁLIAS DO INVERNO? SIM, POR FAVOR

 

Volta e meia, esta "tendência" volta e raramente reúne consenso. Na verdade, nunca reune consenso. E eu percebo: esteticamente é bastante interessante. Na "vida real", não é exactamente o mais seguro (em países onde a chuva é uma realidade na altura das festas) e possivelmente nem o mais confortável (porque, #frio). Mas que traz um elemento inesperado (e com pinta) aos conjuntos de festa, TRAZ! E está all over Instagram.

 

Resultado de imagem para carrie bradshaw fur coat

 

Muito antes de sonharmos em termos o Instagram como "centro da vida", Carrie Bradshaw já se passeava em NYC com o seu casaco de pelo e as suas mules. Claramente, a inspiração dos 90's está para ficar.

 

 

Agora, usar ou não usar? 

Porque, não, não convém serem umas sandálias normais de Verão - existem mesmo modelos específicos para ficarem bem com meias.

 

sandalias de inverno.jpg

 

Mango, By Far, Mango e Zara.

 

Por isso, por muita graça que ache à ideia, o facto de ter de comprar um modelo específico (que não em saldos, por exemplo) demove-me da ideia. Mas gosto muito das 4 que mostro acima (as da By Far estão em saldos, por acaso!!). 

 

 

E vocês, o que acham?

 

Seg | 12.11.18

O MINIMALISMO ACTUAL EM 7 PEÇAS

 

O estilo minimalista é uma das minhas grandes inspirações, porque nos permite construir um bom guarda-roupa com a versatilidade como base das peças que adquirimos. É mais difícil ter conjuntos desactualizados, porque as linhas são simples e clean. Mas, claro, até neste estilo (que puxa menos ao consumismo e às tendências), existem novidades e alguns "updates".

 

Existem algumas peças que têm surgido nos looks de street style das amantes deste estilo:

 

 

Long: os trenchs, os sobretudos, os vestidos - tudo ligeiramente acima do tornozelo! 

 

 

 

Moda-Tendencias Vogue.es

 

A camisa vestido: seja Verão ou Inverno, a camisa virou vestido e eu sou FÃ! Em qualquer dia!!

 

 

 

 

Oversized: ok, há uma tendência neste estilo, e é indiscutível. Os blazers do pai/namorado regressam com a vibe dos anos 90 pela mistura - largos, com os ombros ainda mais largos. Basta usar um modelo masculino! 

 

 

 

minimalismo estilo moda boiler suit

 

Boilersuit: que é como quem diz, macacão! Assim um modelo bem masculino (o próprio nome o indica, que vem dos "fatos de mecânico") para combinar com peças mais femininas. Eu sou muito fã!

 

 

 

 

Leopard: o casaco de pelo em leopardo é um clássico deste (e outros) estilos. E esta é a temporada para usar e ABUSAR dele.

 

 

 

 

Camisa vintage: está na hora de ir ao guarda-roupa pescar as camisas que deixámos ficar mais ao fundo em prol das clássicas oversized. Burberry e Ralph Lauren têm bons modelos! 

 

 

 

Bege é o novo preto: é para usar como base de tudo o resto. É mesmo "o novo básico" no que toca a cores! 

 

 

Qua | 07.11.18

A "MINHA" SUSTENTABILIDADE NA MODA

 

Desde que fiz alguns posts em Janeiro e, em especial, Setembro, que tenho recebido MUITO (e tão bom) feedback sobre o assunto.

 

O que acontece é o seguinte: se é verdade que (felizmente) sustentabilidade é "a" palavra de ordem em 2018, 19 e (esperemos) muito mais além disso, também é verdade que surgem variadas filosofias e práticas no Instagram, vindos de várias Influencers, publicações, marcas, etc.

 

E, às tantas, trocam-se conceitos, confundem-se as pessoas e difundem-se variadas ideias. Eu sou apologista de absorver o máximo de informação possível, pesquisar aquilo que não percebo e, claro, ler e ver reportagens mias técnicas (com factos) sobre o assunto. Estou longe do extremismo, porque assim o sou em tudo, mas quanto mais informação tivermos, melhor.

 

 

Abrigo + vaqueros = look perfecto

 

 

A minha filosofia desde o início do ano, que se foi intensificando a cada mês, é simplesmente NÃO consumir. Ou antes, consumir muito MENOS. Não é uma questão de ter "transferido" os meus hábitos de consumo para outro tipo de marcas, pois a meu ver isso faria zero sentido. É mesmo consumir menos! E isto deve-se a mais do que princípios sustentáveis.

 

Simplesmente, deixei de me identificar com a "velocidade", com tendências efémeras, com roupa sem qualidade, com a falta de sentido que isto tudo deixou de ter. Com o conceito de descartável, no geral.

Além disto, que é uma questão 100% pessoal, o "estado em que vai o mundo": ao nível dos recursos naturais (e aqui entra a parte de não "desatarmos a consumir loucamente tudo o que é orgânico", se é que me entendem), do ambiente e da própria sociedade (neste caso concreto, das condições de trabalho). Sustentabilidade não é apenas ambiental, mas também económica e social - daí eu, hoje em dia, preferir marcas emergentes, especialmente portuguesas.

 

 

Mas... Deixei de ir à Zara? (ou Mango, ou Uterqüe, ou "you name it"). Não, não deixei. A moda acessível não é o conceito a destruir - mas sim a parte (que, hoje em dia, é inerente à moda acessível) do excesso de produção (que se foi acelerando para responder à NOSSA pressa de consumir, não se esqueçam) e das condições de produção (passar a ler o "Made in ...." para ver em que mercado foi produzida a peça que estamos a ponderar).

Por exemplo, a produção de algodão é uma das grandes manchas negras no ambiente, devido aos químicos (quando não é totalmente orgânico), mas especialmente devido ao consumo de água que é necessário. Ou seja, a diferença entre comprar umas calças de ganga de algodão na Zara ou em qualquer outra marca é pouca... O ideal é comprar apenas o que é necessário (e que se vai usar muito), certo? É esta a minha lógica.

 

 

Depois, o Vintage. Cada vez mais o conceito de roupa em segunda mão faz sentido, especialmente em peças de qualidade (pegando no exemplo anterior - peças em ganga são uma excelente ideia em segunda mão). Temos aqui várias opções que não lojas físicas (em Lisboa ainda não descobri a pólvora....): as vendas de bloggers (eu, por exemplo, tenho levado a cabo uma limpeza implacável no guarda-roupa com peças em excelente estado!), e sites com verificação de qualidade, como o Vestiaire Collective. 

 

 

E pronto, por hoje, ficamos por aqui. Quero fazer um próximo post com questões vossas - sigam-me no Instagram para saber mais (e também partilho por lá várias opiniões, leituras e mini-artigos).

 

 

Seg | 05.11.18

WISH // "THE" BLAZER

 

 

Isto é "O" blazer. Há semanas que ando "vai-não-vai" com ele e, claro, entretanto esgotou (marcas emergentes trabalham com poucos stocks, o que faz parte do encanto). Soube que vai ser reposto em alguns tamanhos e, se são tão fãs de oversized blazers como eu, vão perceber o porquê de não tencionar ficar a olhar na próxima oportunidade. Right?

 

Blazer Jacques, Rouje. 

Seg | 05.11.18

SET // WELCOME, NOVEMBER

 

out_4.jpg

 Tons claros arrematados por um ou outro apontamento mais escuro! Nunca usei tanto bege e tanto camel e cada vez gosto mais!!

 

Basic Tee //  A Mahrla T é "A" minha t-shirt branca preferida. Uma qualidade e um design incríveis, assenta SUPER bem. Com um blazer mais grosso por cima e está feito (por enquanto). Ver todos os modelos, aqui. 

 

Calças com corte a direito ou bootcut // Sim, estão de volta e mais apetecíveis que nunca. Infelizmente, não são exactamente o que mais favorece a minha silhueta... Mas adoro ver. As minhas preferidas são estas da Uterqüe.

 

Dourado & pérolas // Outro dos moods do momento. E, para quem quer ter as duas tendências numa só peça para usar sem parar, o modelo Claire, da Cinco, é o ideal. Fiquei APAIXONADA desde que o vi. Irresistível! Podem ver, aqui.  

 

Mini Bags // Sem dúvida que estamos divididos em duas equipas: as bolsas mini e as bolsas maxi. Qualquer uma das duas são boas escolhas. Eu já aproveitei os saldos de Verão para uma tote clássica em saffiano (na Ralph Lauren) e estou muito apaixonada pelos modelos (mini e não só) da marca sueca Little Liffner. #AltertaPresenteDeNatal ahahahh

 

 

(os sapatos também são Uterqüe)

Seg | 05.11.18

SPOTTED // SPARKL

Brincos pingentes cristais

 

 

Da Mango (de longe, a marca acessível com a colecção que mais gosto nesta temporada) os brincos perfeitos para esta época festiva - mas não só. Por muito que não os imagine no dia-a-dia de trabalho, sem dúvida que são o acessório perfeito para dar o "up" nesses mesmos conjuntos, quando temos planos after work. Gosto bastante - o brilho, no geral, é uma tendência muito gira para usar todo o ano (obrigada, Saint Laurent), e uns brincos são uma peça perfeita para quem a quer adoptar - são versáteis e fáceis de conjugar. 

Seg | 05.11.18

ESPECIAL FRIO (E CHUVA) #1 OS LOOKS DE STREET SYLE

 

Pois é, a chuva e o frio, e seus amigos nevoreiro e bad hair days, estão mesmo de volta!

 

Pessoalmente, não sou nada hater deste clima. Adoro viver num país que tem as 4 estações e gosto de cada uma delas (por muito que haja uma preferida, que é a que me permite passar mil horas ao sol AHAHAH) mas assumo que uma manhã cinzenta e fria não é tão inspiradora como uma cheia de sol e calor. E, claro, acabo por muitas vezes preferir a 100% o conforto e andar sempre da mesma maneira - e não tem que ser assim (nem deve). 

 

Então, respondendo aos vossos pedidos pelas Stories do meu Instagram, aqui vai uma pequena série para nos inspirar nesta estação, com algumas dicas ali pelo meio! Espero que "ajude". 

 

 

Veronique Tristam by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180925_48A8807

 

Apostar numas botas originais (e que, ao mesmo tempo, sejam confortáveis).

 

 

 

Sophia Roe by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180920_48A3936

 

Malhas giras, malhas giras, malhas giras.

 

 

Linda Tol by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180925_48A0310

 

Chloe Harrouche and Linda Tol by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180925_48A0179

 

Chapéus - SIM, SIM, SIM!

 

 

 

 

 

 

Alexa Chung by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180916_48A8308

 

Monica Ainley by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20181001_48A4452

 

Long trench - "A" peça. 

 

 

 

Margaret Zhang by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180907_48A1115

 

Botas de cano médio, o novo básico. (E, sim, eu gosto de as ver por cima das calças.....)

 

 

 

Chloe Harrouche by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180927_48A0020

 

Camisolas de malha pelos ombros: A-DO-RO! (além de ser truque de styling, é uma forma extra de aquecermos).

 

 

 

Alexandra Carl by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180928_48A1291

 

Sobretudos com cores e padrões, para dar um "up" nos conjuntos básicos.

 

 

 

 

Vanessa Hong by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180930_48A8531

 

Courtney Trop and Reese Blutstein by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180924_48A7679

 

Yoyo Cao by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180928_48A0829

 

Giorgia Tordini by STYLEDUMONDE Street Style Fashion Photography20180928_48A4090

 

Looks monocromáticos: um dos meus grandes moods.